CRAQUES EM FORMAÇÃO EM TODAS AS CATEGORIAS NO NOVOS CIELOS

Do mirim ao júnior, nadadores do Ano II – Novos Cielos do Centro Olímpico mostram o que querem e com o que sonham: finais, pódios, seleções e, principalmente, melhores tempos

Dar unidade ao trabalho com todas as categorias a partir de uma metodologia pedagógica, colocar mais nadadores em finais e nos pódios de Campeonatos Paulista e Brasileiro e visar a convocação em seleções são objetivos do Novos Cielos – Ano II, que vem sendo desenvolvido no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), em São Paulo. No centro disso tudo estão os craques, nadadores que são destaques em suas categorias.

Matheus Emilio Andres Rodrigues, 10 anos, que aprendeu a nadar por estímulo do pai Israel desde pequeno, garante que gosta “de treinar e ganhar competição”. Gabriel de Souza Pistilli, 9 anos, que nada desde os 6, mostra interesse “por competir e aprender”. E diz que “tem o Instituto, que é do Cesar Cielo, onde eu nado”. Gabriel  Souza Leão Alarcon, 9 anos, nada desde os 2 e tinha o sonho de conhecer Cielo. “Gosto de nadar. Fui campeão dos 50 m peito no Circuito Mirim. Quando eu vejo o Cielo penso que vou tentar chegar lá”, conta.

Gabriel Souza Leão Alarcon, da categoria Mirim (em primeiro plano)

Gabriel Souza Leão Alarcon, da categoria Mirim

Os três já se destacam na categoria Mirim, o primeiro estágio do mundo competitivo e de aprendizado do Novos Cielos – Ano II, no COTP.

Stephan e a técnica Tamara

Stephan Steverink com a técnica Tamara Rodrigues da Silva, da categoria Petiz

Stephan Alexander de Freitas Steverink, 11 anos, campeão paulista dos 100 m medley, dos 100 m borboleta e do revezamento 4×50 m medley (nadou o estilo livre) e medalha de prata nos 400 m livre e no revezamento 4×50 m livre, em Guaratinguetá, é um dos destaques da categoria Petiz 1.

Começou no projeto em 2014, como Mirim. Nesta faixa etária Stephan e seu grupo, de 11 e 12 anos, têm treinos mais fortes, comparados aos do ano passado, quando eram mirins, com mais atenção ao estilo. “É para aprimorar a técnica do nado”, observa. “Eu gosto muito daqui, de nadar… Eu sempre vejo todas as competições”, acrescenta.

Mary Ana e Guilherme, entre os destaques da categoria Infantil

Mary Ana e Guilherme, entre os destaques da categoria Infantil

Guilherme Yukio e Mary Ana Farina, ambos com 13 anos, são destaques da categoria Infantil. Trouxeram medalhas e boas posições dos Campeonatos Brasileiro, realizado em Belém, e Paulista, disputado na Capital, no Clube Pinheiros.

Guilherme, que está na 7ª série, 8º ano, do colégio Joaquim Cândido de Azevedo, conquistou três medalhas no Paulista – bronze nos 100 m costas, prata nos 200 m borboleta e bronze nos 100 m borboleta –, e mais uma no Brasileiro – prata nos 200 m borboleta.

“Evolui. Acho que minha técnica melhorou desde que cheguei aqui no Centro Olímpico, em 2013. Eu ainda tenho de melhorar a batida de perna”, comenta o garoto, que vem da Chácara Santo Antônio, bairro de São Paulo, trazido pela mãe, Lucila, ou mesmo de ônibus, para os treinos de natação. “Eu gosto, venho com prazer”, comenta, dizendo que gosta do que faz e é “um estímulo” ter um nome como o de Cesar Cielo ligado ao projeto do qual participa.

Mary Ana, que cursa a 8ª série, 9º ano, do Colégio Luiz Bimbatti Piccorruxo, em Caieras, São Paulo, está investindo em melhorar na parte aeróbica – “em ganhar mais resistência”. No Brasileiro, foi às finais dos 100 m costas, 200 m costas, 200 m medley e 100 m peito. Ganhou bronze nos 100 m costas, pegou dois quartos lugares (200 m medley e costas) e ficou em 6º nos 100 m peito. No Paulista, conquistou bronze nos 100 m costas.

E ainda teve o Kim Mollo, em Mocóca. De lá, trouxe ouro nos 100 m costas e prata nos 200 m medley – ainda nadou costas no revezamento 4×50 m medley por São Paulo, que ficou com o ouro. “As medalhas são legais, estar nadando bem é legal, mas baixar os tempos da gente é o melhor”, comenta. Guilherme concorda. “Nossa principal preocupação é sempre o tempo e depois ir para a final e o pódio.” Mary conta que passeios em shopping e ida a festinhas de aniversários fazem parte dos programas no convívio entre os nadadores do Novos Cielos.

Kayky Mota e Felipe Rizzo, 16 anos, categoria Juvenil

Kayky Mota e Felipe Rizzo, ambos com 16 anos, resultados na categoria Juvenil

No primeiro semestre, as principais competições para a categoria Juvenil foram o Brasileiro, realizado no Recife, e o Paulista, em São Caetano do Sul. Felipe Rizzo, de 16 anos, ganhou uma medalha em cada torneio, nos 200 m borboleta, bronze no Brasileiro e prata no Paulista. Kayky Mota, também de 16 anos, levou ouro nos 400 m medley e prata nos 1500 m, no Paulista, e foi 4º nos 400 m medley, no Brasileiro.

O depoimento de Felipe, que faz o 2º colegial na ETEC Guaracy Silveira, mostra a importância de trabalhos de formação. Participa do Ano II do Novos Cielos, mas chegou ao Centro Olímpico em 2011. “Evolui muito. Em um ano me federei. No final do ano seguinte fui para o Brasileiro como reserva. Em 2013, com 14 anos, no Brasileiro, fui 6º nos 100 m borboleta. No final do mesmo ano, fiquei em 3º no Brasileiro, nos 200 m borboleta. Em 2014, fui segundo no Brasileiro e campeão Paulista nos 200 m borboleta… Esse ano, peguei pódio de novo!”

É claro que quando fala de objetivos fala em chegar a seleção brasileira. Diz que seu ídolo é Michael Phelps e que vai torcer para Cesar Cielo na Olimpíada.

Kayky, que cursa o 2º colegial no Colégio Adventista, também sonha em chegar a seleção e as principais competições. “Sou fã do Phelps e do Cielo.” Kayky chegou a sua primeira final de um Brasileiro em 2014, nos 200 m e nos 400 m medley. “Tenho muita resistência”, comenta.

Guilherme Toledo, da categoria Júnior

Guilherme Toledo, da categoria Júnior, espelho para os mais novos do projeto

O treinador Luiz Fernandes Barbosa observa que os nadadores da categoria Júnior têm o papel de espelho para os mais novos dentro do projeto. Guilherme Toledo, que vem sendo direcionado para fazer provas de fundo, cursa o 3º colegial no Nossa Senhora das Graças, no Jabaquara. “Melhorar o meu tempo é a prioridade”, diz Toledo, que tem 16min24s nos 1.500 m, marca feita no Paulista deste ano. “Quero ocupar lugar entre os fundistas na seleção e estou treinando muito para isso.”

Para o núcleo do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em 2015, o Novos Cielos – Ano II é uma parceria entre o Instituto Cesar Cielo, criado em 2010 pelo campeão olímpico e mundial Cesar Cielo, o governo federal (por meio da Lei de Incentivo ao Esporte), a Prefeitura de São Paulo e os patrocinadores SporTV, ab concessões, rumo all, hth e Maksen.