UMA ESCADINHA, COM DEGRAUS PARA TODAS AS CATEGORIAS E OBJETIVOS SELEÇÕES, FINAIS E PÓDIOS

Os treinadores do Novos Cielos, do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), avaliam onde estão e podem chegar os nadadores das diversas faixas etárias em formação

O Novos Cielo adotou, neste Ano II, a Escolinha – que visa a iniciação de crianças de 6 a 8 anos – e uma metodologia pedagógica para todas as categorias – mirim, petiz, infantil, juvenil e junior. Os técnicos das categorias avaliam de forma positiva a evolução do trabalho dos vários núcleos do projeto em parceria com o Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP), da Prefeitura de São Paulo, e que tem o apoio de patrocinadores, através da Lei de Incentivo ao Esporte, do Governo Federal.

Turma da Categoria Mirim: 9 e 10 anos

Turma da Categoria Mirim: 9 e 10 anos

“No mirim, aumentou o número de atletas, de 22 para 37, e houve uma evolução no trabalho, com resultados, principalmente dos nadadores que começaram no Ano I do Novos Cielos e continuaram neste Ano II”, afirma a técnica Eloisa Rodrigues Alves, que trabalha com a faixa etária de 9 e 10 anos. Emily Sardinha, assistente, estudante de Educação Física e ex-nadadora, disse que está vivendo uma oportunidade única de aprendizado na área. “É ótimo estar no projeto e trabalhar com as crianças.”

Categoria Petiz

Categoria Petiz

Tamara Rodrigues da Silva coordena o trabalho de preparação da Categoria Petiz, com nadadores de 11 e 12 anos. “Temos experimentado uma evolução frequente da parte técnica, tanto dos alunos, quanto do grupo de treinadores que atua com o Novos Cielos aqui no Centro Olímpico. É a Escolinha, o Mirim, o Petiz, o Infantil, o Juvenil e o Júnior… uma escadinha”, comenta Tamara, que conta com a ajuda do assistente Henrique Luiz Ferreira, também estudante de Educação Física.

OSV_3709 (2300x1521)

Integrantes da Categoria Infantil

No degrau de cima do Novos Cielos/COTP estão os nadadores da Categoria Infantil, de 13 e 14 anos. “Estamos trabalhando para chegar a um nível forte com esse grupo. O projeto do Instituto permite que a natação tenha mais um grupo forte para acrescentar no trabalho de formação na modalidade”, diz Eric Soma, técnico. “Falta trabalho de base e estou gostando muito de fazer isso”, completa Drielle Morton, assistente. A prioridade para esse time é aprimoramento técnico e condicionamento aeróbico.

Nadadores da Categoria Juvenil

Nadadores da Categoria Juvenil

Rodrigo Mello responde pela Categoria Juvenil, de 15 e 16 anos. “Esse ano subiu uma molecada do Infantil, que é uma turma em desenvolvimento, e chegaram alguns nadadores de fora. Alguns pegaram seleção no meio do ano, o que é bom. Acho que podemos destacar que tivemos um primeiro semestre colocando atletas em um maior número de finais no Brasileiro, em Recife. Fomos a oito finais e tivemos medalhistas, como o Felipe Rizzo e o Kayky Mota.”

Rodrigo acha que é possível apontar o melhor desenvolvimento técnico em cada categoria. “É importante porque a gente consegue pegar atletas mais prontos para o alto nível quando eles chegam ao Juvenil e Júnior.”

As metas do Juvenil para este ano ainda são chegar até as finais do Paulista e Brasileiro, o desenvolvimento da equipe Juvenil 2, no geral, para que no próximo ano, como Júnior, possam mirar índices para competições como o Open e Maria Lenk em 2016. “Tivemos uma melhora de 100% no projeto do Ano I para o Ano II, pela qualidade da molecada, por uma melhor divisão por faixa etária – com um professor e um assistente para cada uma – e no juvenil, que é quando os nadadores começam a ser especializar mais, com o início da preparação física”, resumiu Rodrigo.

Nadadores da Categoria Júnior: espelho

Espelho: nadadores da Categoria Júnior

Na Categoria Júnior, a última da escadinha, o grupo do Centro Olímpico/Novos Cielos participou do Brasileiro e do Paulista Júnior e Sênior e foi a 8 finais. “Foram duas medalhas, a de bronze com Guilherme Toledo, nos 1.500 m livre, e a de prata, com Henrique Rodrigues, nos 400 m medley”, disse Luiz Fernandes Barbosa, que treina os nadadores dessa faixa etária e também coordena o Novos Cielos. “O foco para eles é fortalecer o grupo em relação aos resultados para que eles sejam o espelho para o Juvenil, o Infantil; aumentar o número de medalhas e de presença em finais e, juntamente com os juvenis que subirem, formar um grupo forte para 2016.”

Para o núcleo do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, em 2015, o Novos Cielos – Ano II é uma parceria entre o Instituto Cesar Cielo, criado em 2010 pelo campeão olímpico e mundial Cesar Cielo, o governo federal (por meio da Lei de Incentivo ao Esporte), a Prefeitura de São Paulo e os patrocinadores SporTV, ab concessões, rumo all, hth e Maksen.